domingo, 19 de abril de 2009

Os brincos leves deixados em cima da mesa

delatam o desejo dela permanecer em minha memória

Mas parece que nada nunca preenche, supre o tamanho da falta

Não posso permitir que a falta seja tanta que se torne vazio e desespero

Busco entender, procuro aceitar o esquecimento. Nosso destino.

Torno o cansaço meu amigo, me engano, finjo que não sei.

Não vejo graça em olhos sem nata.

Quero a quarta chance.

6 comentários:

Wania disse...

Oooiiiii, querido amigo...
Que bom te ler novamente.
Tuas palavras conseguiram voar mesmo carregando todo o “peso” do texto.
Muito lindo!
Mereces todas as chances!
Beijão e uma semana iluminada pra ti.

Luciane disse...

Adorei"
Tu para mim é o retrato daquele verso da Adriana Calcanhoto, "eu presto muita atenção no que meu irmão ouve...".
Eu presto atenção em tudo o que tu ouve, lê e escreve. E concordo com a Wania, mereces todas as chances do mundo!
Beijo

marcelo disse...

Que bom ouvir isso de vocês! Bom saber que estão comigo mesmo que por vezes me ausente! Beijão e semana iluminada para vocês também!

Nadia lopes disse...

Oi, Marcelo, adorei o teu retorno!!
E faço coro com as meninas, teu olhar merece todas as chances para (vi)ver!
beijo

fale com ela disse...

Este teu post lembrou a fala de um amigo que sempre me diz que a vida é escolha, espera e esquecimento :)
Será?

ParadoXos disse...

gostei pela originalidade e criatividade - em palavra!!

abraços meus