domingo, 22 de agosto de 2010

Desembaraçando o olhar,
busco ancorar as pernas naufragadas,
mergulhar na fronha dos aromas,
nadar na chance das incertezas,
embarcar na proximidade salgada,
remar na espera da descoberta não afundar,
mapeando entrelinhas duvidosas no céu,
a vista de um coração.

4 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...

Nas entrelinhas encontram-se estrelinhas :)

Adorei a alegoria: passeio no Jardim Botânico.

marcelo disse...

Confesso que quando escrevi fiquei na dúvida entre entrelinhas ou estrelas. Te lendo agora entendi que havia espaço para as duas. :)

Kenia Cris disse...

Que coisa linda Marcelo! Que esse coração-abrigo tenha árvores à sombra das quais você possa descansar, ler um livro e viver um grande amor.

Beijo sempre sempre grande!

Iara Ga Iañez disse...

Belo!