domingo, 3 de maio de 2009


Dúvida, minha velha namorada
Confusão entre a certeza e as hipóteses
Tudo escorre por entres
Não há decisão sem risco, sem ficar em dívidas,
O erro é a norma
existirão excessos e faltas ao redor e dentro
A solidão é o medo de ficar só, apenas isso
Novamente não sei se o que quero é tanto, algum dia saberei?
A tranquilidade é o inferno, um fim em vão
Vejo escamas nas palavras
Sentimentos nos objetos
Não entendo o que é exato

3 comentários:

Luciane disse...

Maravilhoso, Marcelo...
Escamas são uma imagem tão boa...
Adorei!
Beijos!

Iara disse...

Marcelo,
"Não entendo o que é exato"
Sem palavras para seu texto. Muito exato talvez caiba.
Abs,
Iara

marcelo disse...

Tu sabe que eu sempre fui meio peixe Lu.
Adoro teu blog Iara, por isso saber que tu gostou me deixa bem contente. Tu será sempre bem vinda aqui.