domingo, 2 de agosto de 2009

O psicólogo que quis ser gari para ver se ficava visível


Me desculpe o psicólogo em questão, esse que passou 8 anos (não acreditei nesse número) trabalhando como gari para provar sua tese de que eles são socialmente invisíveis. A pergunta que eu deixo é: quem hoje não é????
Quando eu ando na rua ninguém me dá bom dia, pergunta como eu estou ou qual é meu nome. 95 % das vezes, as pessoas nem sequer se olham. Eu acho que isso não tem a ver com discriminação de classe social. A invisibilidade existe entre todos com todos, eu sei que é triste dizer isso. Faz parte do mundo "montanha russa" em que vivemos, a rua deixou de ser ponto de encontro há tranquilamente mais de meio século. Mas todos fazem campanha dos "sem alguma coisa", olhem para eles, coitadinhos, não são vistos. Se pelo menos dessem um salário decente para os Garis, provavelmente eles não estariam nem aí se são ou não visíveis. Se todos acharem a pior coisa do mundo ser ignorado, melhor nem sair de casa. Vão criar alguma casquinha! Por favor!

p.s. Será que estou sendo gelado demais?
p.s. 2. Se o psicólogo queria ter sido visto, melhor se fosse de gari fantasiado de drag queen.
p.s. 3. Só me falta o psicólogo ter tirado essa vaga de gari de alguém necessitado que precisava desse emprego. Imagina!! 8 anos esperando a vaga! Vão criar vergonha na cara!!!
p.s.4. Pensando melhor, tem tanto psicólogo sem emprego e invisível, que se bobear, melhor ele investir na carreira de Gari, pelo menos se garante.

4 comentários:

Kenia Cris disse...

Que coisa né, enquanto uns de nós querem ser invisíveis, os garis estão reclamando de não serem notados???

Não sei por aí, mas aqui em belo horizonte tem uns tão mal educados que só falta varrer a gente também!!!

Eu sou conhecida por ser a melhor amiga das faxineiras em todos os lugares onde trabalhei, não tenho problema algum com as pessoas em cargos de limpeza, por exemplo. Acho que o trabalho de cada um é a sua dignidade, eu tenho cuidado sempre quando estou andando no shopping pra não ficar pisando onde as pessoas estão limpando, cumprimento os garis e faxineiras porque acho q o trabalho deles é mto importante e muita gente não vê isso mesmo. Mas muita gente não vê o trabalho de muitos outros profissionais e nem por isso eles saem por aí reclamando.

Falei demais Marcelo, desculpa!!!

Adorei o post! Beijo grande e sempre carinhoso. ;)

Milena Matias disse...

Adorei sua visão, já tinha visto a reportagem e te indico um texto de Forbes, "A importância de ser ninguém" http://www.jorgeforbes.com.br/br/contents.asp?s=23&i=28
Beijos

Anônimo disse...

Li o texto do psicologo e achei muito interessante, gostei tambem de sua abordagem sobre o tema,porem acho que voce foi um pouco áspero com relação ao psicologo! não precisava tanto!

marcelo disse...

É verdade né? Áspero até foi pouco! Eu fui estúpido mesmo! Mas fazer o quê? Também tenho meus dias de "tpm". às vezes penso que são esses excessos que nos fazem escrever. Melhor quando de amor, admiração, surpresa, mas às vezes eles são de ódio também. Human nature baby!