segunda-feira, 15 de junho de 2009

Ampulhetas

O calafrio das cobertas,
a vagareza de despertar,
compreender o espelho,
imaginá-la presa comigo,
espiá-la lendo deitada,
esquecer de girar.

4 comentários:

Luciane disse...

Mandou muito bem!!!!

Wania disse...

Genuinamente lindo, Marcelo!

Tb gostaria de esquecer de girar...
Bjão e boa semana pra ti.

Renata de Aragão Lopes disse...

Tenho fascínio por ampulhetas! Elas nos dão a impressão de que podemos controlar o tempo... Ainda escreverei a respeito! (risos)

Parabéns pelos versos! E obrigada pela visita tão simpática ao meu blog! Um abraço.

marcelo disse...

Eu também sinto o mesmo fascínio! Quem sabe eu também escreverei sobre elas? Depois trocamos poemas... :)
Um dia a gente vai conseguir esquecer de parar Wania!
Valeu mãna!